Infografia. Ilustração. Desenho Editorial. Banda Desenhada

Páginas

12 julho 2009

Evolução passa por dispositivos móveis


Xaquín G.V. A evolução da infografia digital deverá passar pelos dispositivos móveis e pelo envolvimento dos utilizadores, afirma o editor gráfico do jornal ‘The New York Times’, Xaquín G.V.

“Ainda não temos explorado a infografia para os dispositivos móveis. Essa é uma possível linha de investigação e evolução”, diz Xaquín G.V.
O infografista galego vai ministrar o ‘I Workshop de Infografia Digital’, na Universidade do Minho, com o professor da Universidade de Navarra Aitor Eguinoa, que trabalhou para jornais como o ‘El País’ e ‘La Nacion’.

Xaquín G.V. sublinha que “o infografista é um jornalista”, distinguindo-se do repórter tradicional apenas pelo aspecto visual com que apresenta a informação.
“Por exemplo, quando um avião pousou no Rio Hudson, em Nova Iorque, os repórteres recolheram a informação sobre como estavam os passageiros e declarações da tripulação.
Os infografistas fizeram a rota do avião e como pousou. Os fotógrafos tiraram fotos do lugar da aterragem”
, diz.

O editor gráfico frisa que o importante é haver colaboração entre os vários elementos da redacção.
“A infografia online é uma maneira de fazer o produto jornalístico diferente dos competidores”, diz, salientando que, “num mercado tão competitivo e com a necessidade de encontrar novas soluções para captar mais leitores-usuários, muitos jornais têm dado à infografia interactiva um papel importante nas estratégias de diferenciação, como foi o caso do elmundo.es e do elpais.es, em Espanha”.

Xaquín G.V. reconhece que a infografia digital “é cara e demorada”, mas sublinha que “também é possível fazer boa infografia interactiva em pouco tempo e com poucos recursos”, dependendo apenas “das ambições do jornal e do seu projecto infográfico”.

“Para editar, desenhar e programar os gráficos das eleições norte-americanas foram precisos vários meses e várias pessoas. Mas é possível imaginar as eleições sem gráficos interactivos?”, questiona.
O infografista realça que "o elpais.es fez durante muitos anos algumas das melhores infografias online do Mundo com uma equipa de apenas duas pessoas, porque sabiam em que histórias investir os recursos”.

Na opinião de Xaquín G.V., “Portugal já tem demonstrado muito potencial”, com infografistas do calibre de Hélder Brites, que dirigiu o departamento de infografia do ‘Expresso’, e Leonel Sousa e Luís Miguel Taklim, da agência de infografia Anyforms.
“O potencial existe, falta apenas que os directores concordem com essa visão”, afirma.

Xaquín G.V. é licenciado em Jornalismo, especializado em Novos Meios e doutorando na Universidade de Santiago de Compostela, Espanha.
Começou a sua carreira como infografista em 2000, no diário ‘La Voz de Galicia’, tendo trabalhado depois no elmundo.es, entre 2002 e 2007, ano em que se mudou para Nova Iorque, para trabalhar como responsável pelos gráficos interactivos da revista ‘Newsweek’ até ao Verão de 2008, quando foi contratado pelo ‘The New York Times’.

in 'Lusa'

Ver 'Xocas' e 'InfoGrafA'.

Sem comentários: